quarta-feira, 25 de setembro de 2013

A-formalidade

Eu não deveria, a essa altura, ficar impressionado com pessoas cujas atitudes revelam-se desprovidas de educação. Mas, não: continuo me assustando. A cada dia, há novos e numerosos exemplos: gente que não respeita o nosso horário de aulas (e, portanto, nem aquele durante o qual não estamos em aula); gente que confunde a cordialidade com que trato as pessoas em geral com falta de distanciamento profissional e respeito, portanto. Gente que, atrasada, continua a falar sem parar durante as aulas, ainda que os assuntos do dia sejam absolutamente relevantes. Truísmos de minha parte, não são? Pois é: o melhor é que, provavelmente, sejam as mesmas pessoas que vivem a exigir tanto e tudo de todos os outros. Afinal, falta-lhes a noção do alheio e, claro, uma dose bem-vinda de auto-crítica (De Crônicas Vorazes, no prelo).