segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Infância?

Quando eu tinha 14, 15 anos, ouvia o álbum Creatures of the night, da banda Kiss ("I love it loud", "Creatures of the night", "War machine" e "Killer" eram as minhas preferidas, acho); devorava os romances policiais de Agatha Christie e (ainda) fantasiava aventuras com carros de corrida, soldadinhos de plástico, peças de montar e bonecos articulados - com a ajuda de meu irmão Henri Chauvin, é claro - mediante o incentivo de nosso pai e os (justos) protestos de nossa mãe, que não entendia porque os homens de plástico precisavam ficar dependurados nas maçanetas do armário suspenso da cozinha, nem por que precisávamos mirar rolhas nos soldadinhos que dispúnhamos sobre as caixas que revestiam os jogos de tabuleiro. Certo dia, cometi a ingenuidade de dizer a alguns colegas da escola que eu brincava de "Comandos em Ação" - ao que fui taxado como imaturo por um grupo de adolescentes: justamente aqueles que frequentavam um Colégio que se dizia jesuítico e formador de homens de bom coração. Tsc, tsc...