domingo, 1 de novembro de 2015

Nacionalistas de ocasião

Na Vila de Piratininga, (fundada em 1554)...

I

... a maior parte daqueles que se dizem contra a cor vermelha (por motivos nacionalistas) são os mesmos que saem às ruas para comemorar o evento mais colonialista de todos: Halloween...

II

...quase ninguém tem o hábito de ler ou estudar, que não seja por motivos recompensatórios (daí o êxito de pseudo livros de "auto ajuda")

III

...(quase) ninguém lê, mas (quase) todos opinam sobre o que (quase) nada sabem

IV

...determinada revista e alguns telejornais são utilizados como fonte inequívoca da verdade

V

...boa parte (ou má parte?) dos muy dignos cidadãos defendem a pena de morte para os bandidos, mas o rigor da lei perde todo o vigor diante dos delitos que quase todos praticam diariamente

VI

...há episódios diários de intolerância, machismo e as mais criativas formas de preconceito, ilustrados por discursos toscos, mal articulados e amparados em pseudo argumentos de rala autoridade: "ouvi dizer que" ou "você não viu no jornal?"

VII

...professores tornaram-se alvo de ofensas de muita gente, de modo geral os mesmos indivíduos que julgam escorar "suas" opiniões de acordo com provérbios ou máximas extraídas do ralo senso comum

VIII

....caso Lima Barreto tivesse vivido aqui, certamente teria alterado o nome de seu Bruzundangas para Pulhastanias.

IX

...os Estados Unidos da América tornaram-se referência "cultural" para muita gente, que com o Inglês (aprendido a partir das telas e quase nunca pelos livros), afeta modos anasalados de falar, intercalando expressões como "tipo" ("like"), a cada quarto de frase pronunciada.

X

...repete-se, de tempos em tempos, a leganda "Ame-o ou deixe-o", proferida com máxima empáfia justamente por aqueles que menos cultivam a língua portuguesa, a cultura brasileira e as tradições locais (que o diga o Saci Pererê, chamado de piegas por aqueles que se vestem de bruxos, monstros e congêneres, a desfilar nas ruas mais badaladas dos Jardins).