sábado, 31 de dezembro de 2016

Para além do caviar

Nonada. Eu havia me comprometido em ler uma relação de dez livros no prazo de seis semanas. Mas, hoje, não resisti e comprei o último de 2016: Caviar é uma ova, do Gregório Duvivier. Não é a primeira vez que folheio o material. Eu já o havia feito, dias após o lançamento na Livraria. Desta vez, encontrei-o em outra loja, aqui do Centro da Pauliceia: reunião de crônicas desse humorista e articulista de grande talento. Reparo que o volume abre com um relato ao lado de Clarice e termina com aquela bela carta que Gregório dedicou a ela, para sua coluna no jornal. Não creio que essa disposição esteja assim por acaso. Mas, se porventura o for, a coincidência só valoriza o livro e atesta a coerência e sensibilidade de seu autor. Minha maior dúvida, agora, é se o incluo, ou não, na lista dos dez, que, assim, virariam onze. Creio que sim: posso mostrar aos passageiros de Guarulhos que há algo mais inteligente que as emissoras a que assistem e as revistas e jornais que persistem em ler, como se se tratassem de mensageiros da verdade. Podemos muito mais. Levemos Gregório por aí, ainda que seja para mexer com a suscetibilidade das pessoas, horrorizadas com o tom de vermelho (e azul, e branco, e preto, e dourado) que vai na capa.