quinta-feira, 28 de junho de 2018

Reencontro com Leandro Konder

"[...]a demagogia fascista assume frequentemente formas 'populistas', lisonjeando o 'povo', prestando-lhe todas as homenagens e contrapondo-o à 'massa' (que representa apenas o peso morto da 'quantidade')" (Leandro Konder)*

Estimada(o)s Internautas,

Após três meses de novas experimentações virtuais no WordPress, pareceu-me o momento de retomar as escritas neste velho e bom Blogspot. Isso também porque alguns seguidores questionaram minha ausência por estas plagas. 

Nesta missiva, também há espaço para novidades. Uma delas é que me tornei "blogueiro" do Jornal GGN. Caso queiram me acompanhar por lá, acessem, por obséquio: https://jornalggn.com.br/blog/jean-pierre-chauvin/patrulhamento-por-jean-pierre-chauvin

Mas já é tempo de justificarmos o título dado a esta postagem. Hoje a Editora Expressão Popular celebrou um ano do lançamento de seu Clube do Livro, que conta com centenas de assinantes em quase três mil municípios do país. Durante o evento, tivemos oportunidade de escutar os belos depoimentos de "Belê", Cecília e das duas educadoras que prefaciaram o livro Um mundo a construir, da militante chilena Marta Harnecker. 

Havia meses que considerava possibilidade de me associar à agremiação. Eis que hoje, inspirado por essas falas, concretizei a tarefa. 

Enquanto lá estive a rondar o acervo da loja, topei com Introdução ao Fascismo, do inteligente, combativo e saudoso Leandro Konder. Como já sucedeu em praças, muros e carteiras, sua escrita é envolvente. 

A despeito do tema ser aparentemente árido -- em especial para a geração apolitizada de nossos tempos de capital fracionário e bitcoins --, Konder tinha a virtude de transformar o que seria uma lição de coisas (tão sabidas por ele) em iluminação. 

É o que sugere o teor do texto; a divisão do assunto em pequeninos capítulos -- como se estivéssemos a ler verbetes, mas sem a linguagem rebuscada das enciclopédias. 

Para quem continua a confundir siglas partidárias com orientações políticas ou a repetir o chavão neoliberal de que a "Terra é Plana", por isso, globalizável, deixo apenas um tira-gosto, que talvez dê uma boa medida do poder de sedução deste livro que re-ensina a pensar para militar: 

"[...] o conceito de direita é imprescindível a uma correta compreensão do conceito de fascismo, embora seja mais amplo do que este: a direita é o gênero de que o fascismo é uma espécie" (p. 27).

Agora, para aqueles que optaram por dar crédito à Rede Globo e à "grande" imprensa, fica outro recado lúcido do pensador, que sugere o caráter autodevorativo dos seres exclusivistas, incapazes de solidariedade:

"O próprio sistema em cuja defesa as classes dominantes se acumpliciam -- um sistema que gravita em torno da competição obsessiva do lucro privado -- impede que as forças sociais em que consiste a direita sejam profundamente solidárias: elas só se unem para os objetivos limitados da luta contra o inimigo comum" (p. 28).


*Leandro Konder. Introdução ao Fascismo.2a ed. 
São Paulo: Expressão Popular, 2009, p. 40.